quinta-feira, 11 de novembro de 2010

O Dia da Memória



- Cinco minutos para entrar no ar. Está pronto?


- S-Sim...

Na verdade não. Eu estou bem... nervoso. Nesse momento, estou dentro de uma pequena sala, sentado sozinho à uma mesa e na minha frente há uma câmera. Estou usando o meu uniforme militar, normal com exceção de um detalhe: uma pequena papoula vermelha presa na lapela. Esse mesmo detalhe é observado nas outras pessoas que estão na sala, todas elas trabalhando para que eu faça esse comunicado ao mundo. Creio que muitas pessoas no meu país também estão usando a flor agora. Hoje comemoramos aqui o Remembrance Day/Jour du souvenir, o dia em que homenageamos os mortos de guerra. Lembro que uma vez o Arthur me contou como ele se sente na semana de 4 de Julho, ele fica realmente acabado. O que eu sinto no Remembrance Day não é muito diferente disso. É um dia em que a atmosfera fica triste e cinzenta. E, pela primeira vez, estou passando esse feriado sozinho. Normalmente, Alfred vem me visitar e o passa junto comigo.


Ficar sem o meu irmão hoje foi deprimente. Eu estava mais sozinho do que nunca. Acho que isso foi um dos motivos que me levaram a fazer essa chamada. E, enquanto eu esperava esses longos cinco minutos, fiquei me perguntando se ele se lembrou desse dia...

- Entrando no ar em 3, 2, 1 

Fizeram o sinal e comecei a falar, olhando para a câmera. Estou sendo ouvido no mundo inteiro nesse momento.

- Boa noite a todos. O meu nome é Matthew Williams e eu sou o Canadá, como vocês devem saber, um dos envolvidos na 3ª Guerra Mundial. Não pretendo falar dos atuais acontecimentos nessa transmissão, mas o que eu tenho para dizer não deixa de ter relação com a guerra. Por essas e outras, eu peço alguns minutos da atenção de vocês. Hoje, no Canadá, no Reino Unido e em vários outros países está sendo comemorado o Remembrance Day. Para os que não conhecem, o dia em que homenageamos todas as pessoas que perderam as suas vidas combatendo nos vários conflitos mundiais. Esse dia se tornou muito importante no meu país, e acabou por virar um feriado nacional. Muitos devem estar se perguntando o porque de eu estar usando essa papoula no meu uniforme. Como eu, várias pessoas estão usando a flor nesse dia. Isso porque, em maio de 1915, o médico e combatente canadense John McCrae escreveu o seguinte poema, chamado ''In Flanders Fields''.

-começa a ler o poema escrito na sua frente-


In Flanders Fields the poppies blow
Between the crosses, row on row,
That mark our place; and in the sky
The larks, still bravely singing, fly
Scarce heard amid the guns below.

We are the dead. Short days ago
We lived, felt dawn, saw sunset glow,
Loved, and were loved, and now we lie
In Flanders Fields.

Take up our quarrel with the foe:
To you from failing hands we throw
The torch; be yours to hold it high.
If ye break faith with us who die
We shall not sleep, though poppies grow
In Flanders Fields



-terminando o poema, continua a falar, olhando diretamente para a câmera-

- O autor presenciou a morte de um amigo em uma batalha na 1ª Guerra Mundial, em Flanders, lugar onde vários combatentes foram enterrados. Ele viu que no local nasciam várias dessas flores e, pouco depois de enterrar o seu amigo, escreveu esses versos e os dedicou a ele. A papoula vermelha se tornou o símbolo do Remembrance Day graças a este poema. 

-faz uma pequena pausa e continua-

- Os horrores que McCrae presenciou na sua época estão se repetindo novamente. O mundo inteiro está acompanhando mais um desastre. Pessoas de todos os lugares estão recebendo notícias da morte de parentes e de amigos. Lugares estão sendo destruídos e famílias estão perdendo seus integrantes. Combatentes estão vendo seus companheiros morrendo, enquanto tentam sobreviver. E é por estarmos enfrentando esses tempos difíceis que resolvi fazer, pela primeira vez, um Remembrance Day a nível mundial. Pode parecer irônico da minha parte fazer esse pedido, sendo eu um dos países que está guerreando. Infelizmente, não vai ser um dia como esse que vai acabar com a guerra. Não vai ser uma homenagem como essa que vai comover os países e faze-los parar de lutar por seus interesses. No entanto, essa mesma homenagem pode confortar o coração de muitas pessoas que estão sofrendo as consequências da guerra. Por isso eu proponho a todos os países; sendo aliado ou inimigo, porque estamos todos na mesma situação, sendo neutro, porque direta ou indiretamente a guerra acaba atingindo a todos; e a todos os cidadãos do mundo, eu proponho agora que façamos todos um minuto de silêncio em memória daqueles que, por tanto amor à nação, perderam as suas vidas lutando por ela, aos que nem mesmo se envolveram mas morreram nas batalhas e também a todas as possíveis futuras vítimas. Um minuto de silêncio, a partir de agora.

-depois de um pequeno sinal, abaixa levemente a cabeça e permanece em silêncio. O seu gesto é acompanhado por todos ao seu redor. Em todos os lugares as pessoas param o que estão fazendo e se silenciam. Durante 1 minuto, o país todo fica em silêncio absoluto. Passado o tempo, olha novamente para a câmera e volta a falar-

- Desde já agradeço a todos que participaram dessa homenagem. Só tenho mais algumas coisas para acrescentar. Eu desejo boa sorte a todos que estão lutando, força para aqueles que perderam pessoas importantes, para as vítimas dos ataques, e...

Parei de repente. A imagem de uma pessoa invadiu os meus pensamentos, e eu não consegui mais falar. Olhei de relance para a equipe na minha frente, estavam fazendo sinal para eu continuar. Olhei de novo para a câmera, mas não saiu nada da minha boca. Senti meus olhos lacrimejando, mas fiz força para que nenhuma lágrima saísse. Respirei fundo e, depois de alguns segundos em transe, continuei a falar.

-  ... e todos que estão com a sorte de estarem junto com os seus pais, amigos, parentes, irmãos... cuidem-se uns dos outros e mantenham-se unidos. Nunca se sabe aonde as pessoas queridas estarão no dia seguinte. E quando se derem conta, pode ser tarde demais. Isso é tudo. Obrigado pela atenção, e boa noite a todos. 

-fim da transmissão-


[Off: Quase não deu tempo. >.<
Vou deixar uma tradução do poema:


Nos Campos de Flandres

Nos campos de Flandres, as papoulas florescem
Entre as cruzes, fileira após fileira,
Que marcam o nosso lugar; e, no céu,
As cotovias, ainda cantando bravamente, voam
Pouco ouvidas entre os canhões abaixo.

Somos os Mortos. Há poucos dias,
Vivíamos, sentíamos o amanhecer, víamos o rubor do pôr do sol,
Amávamos e éramos amados, e agora jazemos,
Nos campos de Flandres.

Continue a nossa luta com o inimigo:
Com as mãos débeis, jogamos a tocha
Para você; seja sua para erguê-la bem alto.
Se você não cumprir a promessa feita para nós que morremos,
Não descansaremos, embora papoulas cresçam
Nos campos de Flandres.


Achei ele muito lindo. *o*]

3 comentários:

  1. [Off: Post perfeito demais *-----*]

    Escutei a sua transmissão, Canadá, e quero agradecer muito a você por tê-la feito. Ela me confortou como nada tinha me confortado até agora, e você, mesmo tão longe, conseguiu trazer esperança ao meu dia. Não sei se mais alguém se sentiu assim, mas ainda assim, obrigada. :)

    ResponderExcluir
  2. Temos de lembrar das pessoas que se sacrificaram por nós. E sua atitude foi muito louvável, demonstrando que não se deve esquecer destas pessoas. (*demonstrou mais maturidade que uma certa pessoa >.<)

    [Off: post awesome, no more!]

    ResponderExcluir
  3. [off: post muito bom o/]

    Well, boa sorte com seu irmão.

    ResponderExcluir